quarta-feira, 30 de junho de 2010

A metamorfose frustrada (replay para o Espaço Aberto)

“Assim como Brad Pitt está com Angelina Jolie, nenhum príncipe há de querer uma plebeia”, pensou. E então, como disse o personagem de uma peça que assistiu, aceitou se esconder da chuva no galinheiro, mesmo sabendo que se andasse um pouco mais poderia encontrar um palácio de cristal. Eles se divertiam quando estavam juntos e nada mais. Nem bom de cama ele era. Ainda assim, ele não ligava, a fazia sofrer.

Anastácia - tinha nome de princesa e nada mais. Não tinha modos delicados, exagerados até. Seu riso não era doce, era natural. Suas unhas nem sempre estavam bem feitas e nos dias mais corridos não usava mais do que um batom. Costumava assistir aos romances e andava um tanto chorona. Viu todos estes defeitos e pensou que embora ele fosse um sapo que jamais viraria príncipe, o jeito era continuar no galinheiro, ainda que sofrendo, ainda que mal comida, afinal, não era ela nenhuma princesa.

De repente imaginou-se homem. Seria bonito, cheiroso, bem arrumado. Seria romântico. Mandaria flores. Faria surpresas. Imaginou-se esperando a mulher amada do lado de fora de sua casa, com uma rosa roubada de um jardim qualquer. A tiraria da cama no meio da noite para ver a lua. Tomariam banho de chuva. Estariam conversando por telefone numa noite comum e ela se assustaria com uma barata. Minutos depois ele apareceria charmoso e dedicado em sua porta, havaianas na mão para aniquilar o inseto e de quebra mimar a namorada. Cantaria para ela e dançariam the way you look tonight numa praça qualquer. Talvez ela não fosse muito bonita, mas seria inteligente. Ah! Como ele seria feliz por estar com alguém que soubesse lhe fazer rir, que tomasse cerveja, fosse com ele ao futebol e de quebra ainda fosse boa de cama. Ah, quase perfeito! Ele seria uma vingança contra o universo masculino insensível!

Então pensou que se fosse homem, na verdade, gostaria de ser totalmente o oposto. Continuaria sendo bonito, cheiroso e bem arrumado. Mas seria sacana. Coçaria o saco se lhe desse vontade. Ia gostar de música sertaneja para não ficar fora da moda e saberia dançar bem. Um sedutor - papo, olhar e sorriso que arrepiariam qualquer mulher. Andaria de carro, cheio de charme, janela aberta. Continuaria detestando estampas de animais. Se cruzasse com uma mulher vestindo uma peça de oncinha iria por a cabeça para fora e rosnar bem alto, a faria sentir vergonha por ter algo assim. Comeria todas e não ligaria no dia seguinte. “Solteiro, sim! Sozinho, nunca” - seria o seu lema. Chegaria sozinho às festas, sairia sempre acompanhado.

Dormiu pensando em como se chamaria se fosse homem. Que nome combinaria com seu estilo pegador?

Para sua surpresa, acordou homem. Era lindo! Olhou-se no espelho totalmente nu. “Homem, sou homem!” - surpreendeu-se, tocou-se, apaixonou-se por si mesmo. Abriu o guarda-roupas e viu que tinha bom gosto, bons perfumes. Saiu de casa e foi para o trabalho. Chegando lá, foi chamado ao escritório do chefe. “Aquele gostoso!”, pensou. Era homem e deduziu que aquela exclamação mental seria algum resquício de sua alma feminina. Entrou na sala e o homem veio para cima dele. Não fugiu. Então, percebeu a realidade: era gay! Sim, homossexual! Passivo, ainda por cima (ou por baixo, como preferir! O chefe o comeu e mandou sair. Não ligou durante a noite e ele sentiu-se mais sozinho do que nunca.

Tentou dormir, queria voltar a ser mulher! Afinal, se é para gostar de homens, sejamos convencionais. Concluiu que sendo mulher o mundo era menos difícil e mijar em pé nem é tanta vantagem!


Lily Braun

PS: Este texto foi publicado em março, mas como o tema coincidiu com a postagem coletiva do Espaço Aberto, resolvi postar novamente.

10 comentários:

Mari Amorim disse...

Olá meninas,
adorei o texto,brilhante participação!
Boas energias,
Mari

Elcio Tuiribepi disse...

Mirando-me no exemplo deste texto acho melhor continuar sendo homem, esse negócio de trocar de sexo por um dia foi uma idéia legal, mas sei lá...cada um no seu espaço...cada um com sua natureza...
Pra que mudar, tenho certeza que quase todo mundo está feliz com a sua...eu por exemplo não quero mudar e nem vocês tenho certeza...
Muito legal a participação de vocês, obrigado...o final foi muito engraçado...
Um abraço na alma...
beijo

Johnny disse...

Olá!

Muito legal a postagem de vocês! O final engraçado e inusitado. Parabéns!

Bjs!

Johnny

DOCES E PUBLICAÇÕES disse...

Mijar em pé não é tanta vantagem mas é legal,srsrrsrs

Ótimo texto!!

Carmem L Vilanova disse...

Participacao fantastica...
Amei o texto e a ideia...
Valeu vir aqui hoje!
Beijos, flores e muitos sorrisos!

Sandra disse...

BELO TEXTO. MUITO BOA A POSTAGEM...
PENSAR EM TEMAS DIVERSIFICADOS COM ESTE É TER A CERTEZA, QUE MUITA COISA ESTAM BEM GUARDADAS DENTRO DE NÓS. SEU TEXTO ESTA MUITO BOM. ESTA COLETIVA É MAIS UMA FORMA DE TROCARMOS, APRENDERMOS UM COM O OUTRO. SEMPRE É BOM INTERAGIR. AGRADEÇO DE CORAÇÃO A SUA VISITA MUITO OBRIGADA.

O QUE EU FARIA SE POR UM DIA EU TIVESSE QUE SER O OUTRO...
FARIA TUDO O QUE SEMPRE DESEJEI..EMBORA EU ME AMO COM MULHER...
EU PORCURARIA NÃO FAZER TANTAS COISAS QUE ALGUNS HOMENS FAZEM..SEREM DESORGANIZADOS...
OBRIGADA PELA COMPANHIA..PELOS SEU CARINHO.PELA SUA AMIZADE.
INTERAÇÃO DE AMIGOS AGRADECE.
SANDRA
http://sandrarandrade7.blogspot.com/2010/06/tem-coletiva-espaco-aberto.html
OBRIGADA PELO SEU CARINHO E RETRIBUINDO A SUA VISITA.
SANDRA
AMIGOS É SEMPRE BOM..TEMOS QUE TE-LOS AO NOSSO LADO SEMPRE..

Mulheres de Atenas disse...

Esse texto é muito bom... hehe
Lola

EDER RIBEIRO disse...

Este negócio de virar homem e receber a visita pela porta do fundo não é lá uma ideia maravilhosa, continua-se mulher e recebe as visitas pela porta da frente, que além de ser a forma correta e natural com certeza dá mais prazer para a visita e o visitado.

angela disse...

Adorei. Muito bom e com um humor arrasador. Brilhante.
beijos

VELOSO disse...

Brilhante texto parabens ! E se o Mulheres de Atenas fosse de homens! Seria Homens de Antenas?!