domingo, 20 de junho de 2010

Empoeirada

O relógio parado na parede ferrou com tudo. É por causa dele que não caminho, pensei eu. Existem os ponteiros, o objeto todo formado para marcar um tempo. E o tempo está parado. As horas não passam e quando passam, falta algum sentido. Quando se vê já são 22 horas! E o que foi feito da vida? E do amor? Sem energia. Sinto-me igual ao relógio parado na parede. Sem pilha. Parada, esquecida na parede do tempo.

Lígia

5 comentários:

Mulheres de Atenas disse...

O tempo me é o grande mistério... :S

VELOSO disse...

Hoje temos temos muito tempo para perder tempo, não encontramos tempo é para viver!

Tâmara disse...

O tempo, engoli por pura afronta.

Marliborges disse...

Menina, é bem por aí. Mas gostei mesmo das palavras do veloso sobre o tempo: "...temos muito tempo para perder tempo, não encontramos tempo é para viver!"
Bjsssssss

Espaço Aberto disse...

É com grande alegria que viemos te convidar, mais uma vez, a participar conosco da blogagem coletiva do mês de Junho, cujo tema é

"O que você faria se, por um dia, se tornasse alguém do sexo oposto?"

A blogagem tem início hoje e vaí até sexta-feira, dia 02 de Julho.
Ficaramos muito felizes em tê-la conosco novamente!

Beijo grande!

Sanzinha