quarta-feira, 24 de setembro de 2008

A virgem e o cronista

- Alô?
- Oi, Veríssimo? Quero falar com você sobre um problema.... Um problema quase social...
- Quem é você? Às duas da madrugada? Como tem meu telefone?
- Nada disso importa... – diz a interlocutora com um sotaqueestranhíssimo – Já assistiu àquela peça em que o personagem fala isso?– o silêncio a faz ter certeza de que ele não viu e não está interessado na peça – Mas deveria ver, é muito boa! Muito engraçada...
- Eu vou desligar...
- Não, não faça isso... Eu sou uma boa história...
- É?
- É... Sou virgem...
- E daí? Todas as mulheres nascem assim...
- Mas faz 30 anos que eu nasci....
- E você quer que eu te coma?
- Não! Credo! Que nojo!
- Nojo?
- Não... Quer dizer, sim... Sei lá! Eu não quero dar pra você... Maseu quero dar pra alguém...
- E você quer que eu indique um amigo então? Este tipo de coisa pega mal se eu indicar alguém... Sabe? É aquele tipo de função que um homem não pode delegar a outro...
- Aff! Não... Você não entende nada...
- Não mesmo! Você me liga de madrugada, me diz que é virgem, mas não quer que eu te coma, e exige que eu te entenda...
- Você quer dormir? Eu ligo pro Cony....
- Não, já perdi o sono...
- Na primeira vez que eu estava disposta a dar, eu dormi...
- Que cara incompetente!
- O quê?
- Eu não disse nada...
- Então, como eu ia te contando, a maconha me deu sono...
- Era só o que faltava... – diz indignado o cronista do outro lado da linha – Fumou um baseado hoje também?
- Não! Você entende tudo errado! Fumaram perto de mim! Ele foi aobanheiro e quando voltou eu estava apagada... Acho que o cheiro me fez mal...
- E daí desistiu de dar Bela Adormecida?
- Perdeu o clima...
- Eu sei...
- Sabe?
- Não... Quer dizer... Agora, por exemplo, perdi o sono...
- Você está comparando tesão com sono?
- É... Não... Talvez...
- Depois ninguém mais tentou... Tipo assim, tentou de verdade...
- E o que é tentar de verdade?
- Ahh... Vai querer que eu te fale da minha intimidade?
- Olha quem fala de intimidade?
- Você quer que eu fale sobre a mão dele na minha calcinha?
- ...
- Mas eu não vou falar... Pode perder as esperanças, está achando queisso aqui é disk sexo??? Então, depois deste da maconha, como uma vingançado destino, foi o cara que dormiu e eu fiquei na mão... Na verdade, nem na mão...
- E o que eu tenho a ver com tudo isso?
- Nada, só quero que você escreva uma coluna sobre o meu karma.
- Virgindade agora é karma?
- É... depois de uma certa idade, uma faculdade e outras formações...
- Você é bonita?
- Sou inteligente, se é que me entende...
- Hmm...
- Por quê?
- Sei lá... Já tem meu telefone, talvez queira meu endereço...
- Mas é muito audacioso mesmo! Eu liguei só para te dar uma boa história...
- E porque decidiu dar para mim?
- Quantas vezes eu vou ter que te dizer que eu não quero dar para você? – disse a virgem pau-sa-da-men-te para garantir a compreensão.
- Eu to falando da história!
- Ah! Porque eu gosto do jeito que você escreve.
- Então você quer que eu publique esta história?
- É... mas tem que ficar engraçada...
- Você acha engraçado ser virgem com esta idade? Eu acho um tanto 'trágico'...
- Pois é... Mas é engraçado... Eu tenho uma amiga devoradora de pintos...
- Meu Deus! Onde será que nós vamos chegar?
- Nós não nos falamos há anos....
- Por quê?
- Por falta de assunto... Então, você vai publicar a minha história?
- Não sei.. Tenho que pensar, achar um gancho...
- Ta bom... Vou ler sua coluna depois de amanhã porque a de hoje já está nas bancas.
- Aham... E se pensar melhor, talvez eu possa ajudar, ligue de novo...

Dois dias depois, a coluna mais lida do jornal: "A incrível história dadevoradora de pintos". Ela leu a coluna sem acreditar no que via: uma história ridícula sobre uma ninfomaníaca insaciável que se dizia mal-comida... E no final da história, dizia o cronista: "Era uma mulher muito sozinha. A única a amiga que teve era uma velha virgem, com quem não falava há anos por falta de assunto".


Inspirada por uma conversa entre as mulheres de Atenas,
Helena

5 comentários:

Mulheres de Atenas disse...

Ahhh, já tinha lhe dito que a crônica tava demais, mas volto aqui pra repetir, tá muito boa!!
Ri muito quando terminei de lê-la hahaha. Mas seu nome dessa vez é Helena, a de Veríssimo.

bjos

Carolina

Mulheres de Atenas disse...

Continuo a dizer. O melhor da história é que a tal amiga ficou famosa sem se esforçar o mínimo para isso. Já a outra, a virgem que queria a fama, ficou chupando o dedo. Ô vida injusta, hein?
Hahahahahahha
E continuo a susentar também que o nome da sua crônica deveria ser "A devoradora de pintos". Ela é a grande personagem. E injustiçada, né? Pq o título foi dado por uma virgem ressentida. Hauahauahauah

Bjs

Bia

Neto disse...

ahsuhsuahsa
mto boooom o texto ^^
dmais

Sopa das Letras disse...

Ótima crônica, e ter Veríssimo como personagem foi de grande inteligência e insentivo para o texto. Ao esbarrar em Cony também, ambos excelentes.

Parabéns pelo blog mais uma vez, sempre com postagens criativas e que me fazem voltar aqui!

Beijos!
O Sopa tem postagem nova também, se puder fazer uma visita, agradeço, se não puder, tudo bem!
HAhuahuahuhauah

Guilherme Xavier disse...

Adorei o texto, simplesmente o máximo.
Parabéns!
Guilherme Xavier.