segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Coisas de partir e voltar...

Sempre brinquei com minha mãe que nunca sairia de casa. Ficava rindo à toa com ela e imaginando como seria bom ter o aconchego do seu abraço e o despertar matinal do seu chamado, tirando de ouvido o timbre de sua voz. O grito era sinal de desespero e pulo da cama, ou o contrário, a voz mansa deixava-me adormecer mais um pouco.Agora sei o quanto isso me faz falta.

No fundo eu sabia que o ficar para sempre não aconteceria. Afinal, uma hora ou outra todos vão e a mim a saída não tardaria a chegar, porque minha vontade também era deixar e partir.

Ontem, depois de pouco mais de dois meses fora de casa, retornei àquele abraço carinhoso e o sorriso no rosto de quem espera. Nunca parei pra pensar na sensação que as pessoas tinham em voltar para casa, contudo o gosto foi muito melhor do que eu teria imaginado. A mim ele chegou repleto de êxtase e prazer. Nas duas noites que estive em casa, dormi na minha antiga cama com um sorriso no rosto, daqueles que deixam o sono macio. “O melhor de ir embora é voltar”, pensava comigo.

Nessa volta também veio uma certeza: aquele já não era mais o meu lugar. Aquela ciadade já não era mais minha. Eu não caberia mais lá, igual um calçado que você abandona e não consegue mais colocar no pé, porque simplesmente não entra mais dentro dele.

Depois disso, lembrei de uma amiga e dos textos que ela já tinha escrito sobre o partir, o voltar e o não permanecer. Agora entendo melhor o que ela dizia. E, embora seja triste o fato de que dificilmente você voltará para casa, é bom saber que podemos revisitá-la sem o compromisso de ficar e conquistar, mesmo ilusória, a sensação do mundo pela frente. E, em tendo o mundo pela frente, haver sempre um lugar para voltar...

Luiza.

3 comentários:

Neto disse...

eh bem isso msm
o voltar para um lugar que um dia foi teu mas já não é mais
é bom
mas é passageiro

Mulheres de Atenas disse...

É tão lindo q não consigo nem comentar.
Só digo que acho q vc superou sua amiga. Ela não seria capaz de escrever uma coisa tão linda.

E pare de ser sentimental!

Beijos

Rita disse...

É tão bom sair de casa, mas o melhor é voltar, de preferência por pouco tempo e poder novamente sentir saudades...
Fico feliz por vc estar no mundo, ser do mundo!